Cidade do Esporte: o retrato do descaso com o dinheiro público

FOTO: CASSIANO MARQUES
Por  Leônidas Badaró - Ac24horas

Dia 17 de dezembro de 2006. Mais de 20 mil pessoas prestigiaram a inauguração do que, na época, era chamado de o mais moderno estádio de futebol do Norte do país. A Arena da Floresta era inaugurada pelo então governador Jorge Viana com um jogo amistoso entre Rio Branco e a seleção brasileira Sub-20.

Junto ao novo estádio, o governo acreano inaugurava também um projeto que prometia ser uma opção de prática esportiva para jovens e adultos e um espaço para a formação de atletas de alto rendimento. A Cidade do Esporte, construída ao custo de R$ 2,5 milhões de reais, possuía quadras de futsal, voleibol, basquete, tênis e também contava com estrutura para a prática de artes marciais, ginástica e outras atividades.

No início, era comum presenciar diariamente a presença de centenas de jovens que usavam a estrutura para praticar esportes.

Passados 13 anos, o retrato é outro completamente diferente. O complexo esportivo foi totalmente abandonado ao longo dos anos e é um claro exemplo do mau uso do dinheiro público, do dinheiro de toda a sociedade que paga seus impostos.

O descaso com uma obra que em tempos de uma cidade dominada pela violência seria ainda mais importante por oferecer aos jovens a prática esportiva, reconhecida em todo o mundo como uma ferramenta que afasta a juventude dos problemas sociais, voltou a ser assunto depois que Cassiano Marques, que foi secretário de esportes durante o governo Binho Marques, postou em uma rede social uma foto aérea que mostra o completo abandono do espaço.

Após a publicação, diversos internautas criticaram os últimos governos pela falta de manutenção da estrutura construída com o dinheiro de toda a população.

A deterioração do espaço se intensificou durante a administração do ex-governador Sebastião Viana.

A estrutura totalmente abandonada caiu no colo do atual governo que tem tido dificuldades para “deslanchar” nesse início de gestão e aponta um rombo de quase 600 milhões de reais nas contas públicas como principal motivo.

Mesmo sem grana, a nova administração afirma ter intenção de recuperar a estrutura. Segundo Júnior Santiago, coordenador de esportes da Secretaria Estadual de Educação, Esporte e Cultura do Acre, uma das intenções é estabelecer parcerias para que as quadras sejam recuperadas e voltem a ser utilizadas. “Temos toda intenção de revitalizar o espaço. Já fizemos uma primeira conversa com a Federação de Tênis e temos a ideia de ceder duas quadras para seja montada uma escolinha no local”.

Em relação a falta de recursos, Santiago explica que o governo está em fase de elaboração de projetos para captar recursos. “Como no momento não temos a disponibilidade de recursos próprios, vamos buscar dinheiro no Governo Federal e tentar viabilizar emendas com nossa bancada de deputados e senadores em Brasília.