Cruzeiro do Sul registra mais de 9,4 mil casos de malária de janeiro a agosto de 2018, aponta Saúde

A cidade de Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, registrou mais de 9,4 mil casos de malária entre os meses de janeiro e agosto de 2018. Os dados, divulgados nesta segunda-feira (1), são da Coordenação de Vigilância Entomológica da cidade.

Mesmo com o número alto, os casos de malária caíram em 23,8% da cidade de Cruzeiro do Sul em relação ao mesmo período do ano passado. Nos oito primeiros meses de 2017 foram registrados mais de 12,3 mil casos da doença.

Conforme os dados, somente no mês de agosto foram contabilizados 941 casos; em julho foram 848 e em junho 714. Os meses com maior número de registros da doença foram janeiro, com 2.086, fevereiro com 1.571 e março com 1.259. Em maio e abril foram confirmados 900 e 1.105 casos respectivamente.

A coordenadora Vigilância Entomológica de Cruzeiro do Sul, Muana Araújo, comemorou a redução, mas afirmou que ações seguem no mesmo ritmo, já que ainda são registrados muitos casos por mês.

“Ainda são cerca de 900 pessoas doentes por mês. Estamos lutando para modificar essa situação, estamos chegando no período sazonal da doença, onde a gente tem um número maior de casos. Trabalhamos agora para que não cheguemos ao fim do ano com um número expressivo de casos. Estamos reduzindo e a tendência é que vamos reduzir mais”, afirmou Muama.

Casos de malária confirmados em Cruzeiro do Sul
Dados de janeiro de 2015 a agosto 2018

Pessoas infectadas1.2201.2209279279299291.0571.0571.0401.0401.1121.1121.0421.0421.2201.2201.2461.2461.3161.3161.5211.5211.1901.1901.5041.5041.4051.4051.2451.2451.2261.2261.2261.2261.3621.3621.2421.2421.5601.5602.2292.2292.4162.4162.1132.1131.8511.8511.1531.1531.8331.8331.7151.7151.6061.6061.7961.7962.0862.0861.5711.5717147148488489419412015201620172018JaneiroFevereiroMarçoAbrilMaioJunhoJulhoAgostoSetembroOutubroNovembroDezembro50010001500200025003000

Outubro
● 2017: 2.297
Fonte: Coordenação de Vigilância Entomológica de Cruzeiro do Sul

Muama lembrou que, por muito tempo, a cidade do Juruá registrou os maiores números de casos da malária do país. Ela afirmou que os números passaram a reduzir depois que as ações de combate à doença passaram a ser do de responsabilidade do município.

“Hoje já não somos mais o número um em casos de malária, estamos caindo nessa escala, nesse ranking do Ministério da Saúde. Conseguimos esse resultado fazendo um acompanhamento melhor, avaliando a eficácia da medicação nesses pacientes, visto que temos pacientes que já têm vários episódios de malária”, disse a coordenadora.

Com relação aos anos anteriores, os dados mostram quem em 2015 foram registrados mais de 13,8 mil. O número aumentou 36% no ano seguinte, quando foram confirmados mais de 18,8 mil em 2016. O levantamento apontou que houve mais um aumento em 11,7% no ano de 2017, ao serem registrados 21 mil casos de malária.

A coordenadora afirmou que o estoque de medicação contra a malária está completo. “Nosso estoque foi reposto, podendo atender a todas as pessoas que venham a estar acometidas pela doença. Então, a gente convida a população para que, caso apresente os primeiros sintomas, busquem atendimento de saúde imediato”, concluiu Muana.