Grupo criminoso que planejava praticar crimes na fronteira é preso pela PM

Arma, celulares e dinheiro aprendido com os acusados – Foto: Alexandre Lima

Um grande trabalho que durou todo o dia desta segunda-feira, dia 27, resultou na prisão de quatro homens considerados de alta periculosidade e com várias passagens pela Justiça, evitou que uma nova onde de roubos de veículos e outros crimes fossem cometidos na fronteira.

Todo o esquema foi desmantelado graças ao trabalho de homens do 10º Batalhão da PM do Alto Acre em Brasiléia, quando um dos envolvidos, Juscelino Romeu de Almeida (41), vulgo ‘Negão”, teria cortado sua tornozeleira quando estava rumo à fronteira, entre os municípios de Xapuri e Epitaciolândia, descartando o aparelho na BR 317.

Da esquerda para direita: Ilsomar, Francilnaldo, Deivid e Juscelino, que foi convidado e cortou a tornozeleira.

Neste mesmo tempo, a polícia já monitorava um grupo que estaria comercializando drogas no Bairro José Braúna. Identificados como; Deivid Nogueira da Silva Tavares (26), Francinaldo Rosas de Olveira (24) que foi alcançado na beira do rio Acre e havia jogado algo, o que se acredita ter sido a droga, além de Ilsomar Gerônimo de Lima (18). Quando foi fechado o cerco na casa, dois ainda tentaram fugir, mas foram capturados.

Na revista da casa, foram encontrados algum dinheiro e uma ‘chave mestra’, que seria usada para roubar veículos. Logo depois, descobriram que havia um revolver calibre 22 de fabricação argentina escondido em outro endereço na Avenida Marinho Montes.

Arma apreendida e a ‘chave mestra’que seria usada para roubar carros e motos na fronteira – Foto: Alexandre Lima

Com a detenção do quarteto, foi descoberto que veículos (carros e motos) seriam roubados e levados para o lado boliviano. Juscelino ‘Negão’ seria a pessoa que levaria os veículos e que todos fazem parte da facção Comando Vermelho (CV), e estariam esperando comandos de dentro do presídio na Capital.

Três mulheres que seriam companheiras dos acusados, também foram detidas e conduzidas até a delegacia para serem ouvidas. O caso está nas mãos da delegada Carla Ivane de Brito, que irá realizar os procedimentos e praxe em relação aos detidos junto ao juizado local.