Justiça acata pedido e liberação de Ponte com retirada de imigrantes com uso de força se necessário

 

A justiça federal acatou o pedido de retirada dos imigrantes que estão a cerca de dois meses na ponte da Integração, que liga o Brasil ao Peru, através do estado Acre. Segundo a fonte, a decisão visa normalizar o fluxo de veículos que estão se aglomerando na fronteira de ambos os lados.

Com esse impedimento causado por imigrantes, maioria haitianos, que tentam passar pelo Peru rumo à América Central, Canadá, Austrália e principalmente os Estados Unidos, centenas vem se aglomerando desde o fechamento da fronteira pelo governo peruano por medida de segurança causada pela pandemia no mundo.

Além do prejuízo financeiro causado pela parada dos caminhões que transportam alimentos, combustível, material de construção, entre outros produtos, está afetando também o estado do Pando (Bolívia), que faz divisa com as cidades de Brasiléia e Epitaciolândia.

Cobija (capital de Pando) já trabalha com a possível escassez de combustível, uma vez que não possui estrada que ligue aos grande centro, como Cochabamba e Santa Cruz, tendo a necessidade de utilizar as estradas peruanas e acreanas.

O outro problema causado no lado brasileiro, fica para a pequena cidade de Assis Brasil, que tem cerca de 7 mil habitantes, passou a sofrer com interrompimento do fluxo imigratório, tendo que arcar com despesas não previstas no seu opaco orçamento, custeando grande parte da alimentação e estadia aos imigrantes.

Para piorar, se viu em meio a um aumento de contaminados pelo vírus covid-19, ao ponto de ser registrado o maior município do Estado do Acre de infectados. O atual gestor, Jerry Correia, teve que ser mais enérgico com os representantes do governo federal e estadual para que olhassem com mais responsabilidade ao caso.

O governo peruano já publicou um novo Decreto, onde estende por mais 6 meses, o fechamento das fronteiras do País por medida de segurança sanitária, sendo irredutível à entrada de imigrantes.

Em relação a desobstrução da ponte, acontecerá reuniões nas próximas horas para que os que estão acampados, saiam tranquilamente sem causar maiores problemas. Forças de Segurança como; Polícia Militar, Força Nacional, Gefron, PRF e PF, já estariam comunicados da decisão da justiça.

A decisão de usar a força será uma última consequência caso não queiram sair por livre espontânea vontade.

 

%d blogueiros gostam disto: