Médicos brasileiros formados no exterior emitem nota de repúdio contra CFM e CRMs

Fonte: diretodoplanalto.combr

Os médicos brasileiros formados no exterior emitiram nota de repúdio nesta segunda-feira 20,  contra o Conselho Federal de Medicina (CFM) e os Conselhos Regionais de Medicina (CRMs) por agressões caluniosas. Veja a seguir:

NOTA DE REPÚDIO

Os médicos brasileiros formados no exterior vêm a público repudiar as agressões criminosas como: difamações, injúrias e calúnias praticadas de forma descarada e irresponsável pelo (CFM) Conselho Federal de Medicina e (CRM’s) Conselhos Regionais de Medicina e esclarece que: 15 mil médicos brasileiros formados no exterior estão sendo de forma arbitrária e ilegal impedidos de trabalhar e de ajudar a salvar vidas (mesmo que de forma temporária no Brasil), como institui a lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013 em que institui o “PROGRAMA MAIS MÉDICOS.

Somos médicos brasileiros formados em diversos países do mundo, com domínio pleno dos conhecimentos técnicos da medicina; estudamos os mesmos livros, tais como Sobotta (Anatomia), Guyton (Fisiologia), Harrison (Medicina Interna) dentre os vários livros técnicos da carreira de medicina, que são os mesmos usados nas escolas de medicina do Brasil e do mundo.

Passamos pelos mesmos estágios e práticas e aplicamos os mesmos protocolos elaborados pela (OMS), Organização Mundial da Saúde e Ministério da Saúde; respeitamos os mesmos princípios e compartilhamos o mesmo conhecimento, além do domínio da língua portuguesa, culturas, costumes e etnografias do nosso povo brasileiro.

Nosso principal objetivo é salvar vidas! Há um conflito desleal nos “bastidores”, onde o CFM (criado em 1957), seus membros (CRM’s) e Sindicatos Médicos Brasileiros em que elitizaram a medicina, colocando barreiras para os médicos formados no exterior com intuito financeiro de altos salários, mantendo assim sempre a lei da baixa oferta e alta demanda.

Não estão preocupados com a qualidade, tendo em vista que esse ano já adiantaram a formatura de estudantes de medicina formados no Brasil, dispensando práticas importantes da grade curricular; não existe um exame para avaliar quem forma em universidades públicas e particulares no Brasil, pois estão preocupados em manter o acirrado controle do mercado.

A lei do Revalida é imposta apenas a quem formou em Universidades estrangeiras, mas há 3 anos que não se conclui um processo. Todos os outros meios de revalidação existentes e legais foram boicotados pelos referidos Conselhos por meio de influências políticas.

O Conselho federal de Medicina se infiltrou no Governo Federal por meio de cargos de chefia e boicotou a lei e o Edital do “Mais Médicos 2021”, excluindo de forma ilegal todos os médicos brasileiros formados no exterior.

Além do país estar vivendo uma crise sanitária sem precedentes, em que apresenta Record mundial por mortes pela COVID-19, é um descaso à contratação e reincorporação de médicos cubanos, deixando ainda os seus filhos da pátria fora do programa.

Os médicos formados no exterior, ao invés de estarem lutando para salvar vidas, estão perdendo tempo e conhecimento em uma árdua batalha contra a burocracia e dessa maneira muitas pessoas continuam perdendo a vida por falta de médicos em plena pandemia. Já pedimos à Deus em oração!

Agora pedimos às autoridades deste país, Vereadores, Prefeitos, Governadores, Senadores, Deputados, ao nosso Presidente e a toda população em geral, por justiça! Queremos ajudar a salvar vidas e estamos sendo excluídos da nossa própria Pátria. Médicos Brasileiros formados no exterior gritam e clamam por justiça!

Vidas e justiça!

Atenciosamente,

Médicos Brasileiros formados no exterior

Comentários

%d blogueiros gostam disto: