Operação Midas, que investiga desvios na Emurb, pode ter nova fase às vésperas das eleições

Por Ac24horas

Uma nova fase da Operação Midas deve ser deflagrada em breve pela Polícia Civil. A primeira fase, executada em 2017, teve vários alvos, entre os quais o ex-diretor da Empresa Municipal de Urbanização de Rio Branco, Jackson Marinheiro, além de empresários e servidores públicos do setor.

A operação é fruto de investigação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) com a retaguarda da Polícia Civil. Um grupo de pessoas investigadas já foi denunciado e aguarda decisão final da Justiça. O caso corre na 4ª Vara Criminal da Capital.

Uma empresária, também investigada pela Políci Civil, foi presa na última sexta-feira, dia 28, e isso aflora, nos bastidores, o sentimento de que novas informações devem surgir nos próximos dias. A empresária, do ramo da engenharia, já era alvo da operação desde a primeira fase e foi presa em casa.

Duas fontes ligadas às investigações contaram ao ac24horas, nesta segunda-feira, dia 1º, que durante o final de semana, alguns promotores trabalharam com afinco a fim de planejar o que poderia ser feito, na legalidade, ainda essa semana. A possibilidade de uma operação ainda na semana das eleições é de fato real.

Os desvios, todos eles por meio de notas fiscais emitidas em nome da Empresa Municipal de Urbanização de Rio Branco (Emurb), podem ter gerado um rombo de R$ 7 milhões nos cofres do Município, prejudicando serviços estruturantes para a Capital. Durante a operação, a Prefeitura de Rio Branco informou, em nota, que apoiaria as investigações.