Em conversa com Alckmin, Jenilson destaca esforço do PSB para aliança com federação no Acre

ASSESSORIA

O deputado estadual Jenilson Leite (PSB), usou seu discurso na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), nesta terça-feira (12), para falar sobre o momento político que vive.

Com uma candidatura posta ao Governo do Acre, o seu partido tem enfrentado dificuldades em construir uma ampla frente do campo progressista no estado junto com a Federação Brasil da Esperança, que aglutina o Partido dos Trabalhadores (PT), do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e do Partido Verde (PV).

“Estamos enfrentando algumas dificuldades em alianças com a federação em relação a qual ponto cada um vai atuar nestas eleições e isso tem sido prejudicial, tem tirado tempo de mobilização e de diálogo com nosso povo, que está aguardando por um posicionamento nosso em relação aos seus interesses”, explicou.

No cenário nacional esta aliança já está selada: Geraldo Alckmin é o indicado do PSB para vice de Lula (PT) para a Presidência da República. As dificuldades no cenário acreano foi pauta de conversa entre Jenilson e Alckmin, onde falaram também da boa aceitação do nome do deputado no cenário da disputa majoritária.

“Hoje pela manhã tive uma boa conversa com o nosso pré-candidato à Presidência, Geraldo Alckmin, onde falamos sobre as dificuldades que temos tido, falamos do otimismo que temos em relação a essa empreitada, do movimento crescente que está a nossa candidatura, da adesão popular e da alternativa que nossa candidatura pode ser. Temos a devida dimensão do que esse pleito representa, mas também sabemos nosso papel dentro dele, e por isso temos procurado sermos os cautelosos, responsáveis, amplos e pacientes para que a gente possa construir algo que melhore a vida da população, para que a gente possa construir algo sinalizador de esperança, diferente do que estamos vendo, que é a precarização de todos os setores dos serviços públicos, momento de desanimo, de pessoas perdendo a confiança na eficiência do serviço público e quando isso acontece, todo mundo se prejudica”, explicou Jenilson.

Citando como exemplo a visita recente que fez à regional do Calafate, em Rio Branco, onde ouviu inúmeras reclamações da ineficiência do serviço público, Jenilson pontuou a importância da união para entregar ao povo um projeto que dialogue com as necessidades e seu esforço para que isso aconteça.

“Disse hoje [ao Alckmin] que estamos fazendo todo o esforço possível, e que se aqui no Acre não houver ampla composição que represente os interesses desse campo que sempre estivemos, não será por conta do PSB, não vai ser por falta de esforço do PSB, que há mais de um ano vem construindo uma pré-candidatura, sem imposição, mas no sentido de somar, no sentido de ampliar e juntar aqueles que entendem que é importante termos um projeto que represente o interesse da população. Continuaremos fazendo o esforço, dentro do que for possível, mas também tomaremos as nossas decisões dentro de um tempo que não nos deixe sem alternativas. Chegamos até aqui, faltando poucos dias para início das convenções e fizemos todos os movimentos possíveis para buscar uma construção plural. Estamos tendo dificuldades, porém iremos muito brevemente tomar as nossas decisões para cumprir aquilo que nos é permitido numa caminhada como essa”, finalizou.

%d blogueiros gostam disto: