Expectativa de vida cresce no Acre e supera a da Região Norte

De 2011 para 2018, a expectativa de vida dos acreanos ao nascer passou de 72,11 para 74,56 anos. Entre os estados da Região Norte, o Acre é o que apresenta a maior esperança de vida, aproximando-se, inclusive, da média nacional, que registra 76,25 anos.

Esperança de vida ao nascer expressa o número médio de anos que um recém-nascido esperaria viver se estivesse sujeito a uma lei de mortalidade, conforme dados publicados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para o secretário de Estado de Saúde, Rui Arruda, de forma positiva, a projeção da expectativa de vida no Estado responde aos investimentos e prioridades do governo em ofertar saúde pública de qualidade, infraestrutura, saneamento básico e outras ações que impactam diretamente na vida da população.

“Se você melhora a qualidade de vida das pessoas, melhora o ambiente, faz um tratamento de esgoto e melhora a qualidade da água, isso tudo evita que as doenças cheguem às famílias. Portanto, o crescimento na expectativa de vida no Acre reflete muito bem essas ações. Nós conseguimos uma redução na mortalidade infantil em Rio Branco de 50% e no estado todo mais de 20%. Um investimento geral, não apenas na saúde, uma vez que o governo tem focado em uma política macro de saúde que envolve outras secretarias”, destaca Arruda.

O Centro Especializado em Reabilitação Frei Paolino Baldassari é mais uma conquista para a saúde pública que contribui para o aumento da esperança de vida (Foto: Sérgio Vale/Secom)

Galgando ano a ano avanços até na medicina especializada, com hospitais da criança, do idoso, do câncer, maternidades e até da ortopedia, como o Complexo do Instituto Estadual de Neurocirurgias, Traumatologia e Reabilitação, a saúde ganhou a atenção especial que sempre necessitou na gestão pública.

Somente nas últimas semanas, duas grandes estruturas de saúde foram entregues à população, duas etapas do Hospital Regional de Brasileia – uma das maiores unidades de saúde da Amazônia, cujo investimentos ultrapassam 80 milhões de reais –, o Centro Especializado em Reabilitação Padre Paolino Baldassari e o Lago do Amor, em Rio Branco, que além de proporcionar maior qualidade de vida aos acreanos com práticas esportivas e de lazer, será utilizado na reabilitação de pacientes em tratamento.

“A saúde pública não está limitada apenas nas unidades de saúde. A entrega do Lago do Amor é bem representativa nisso. Um ambiente de lazer cercado de instituições de saúde, agregando qualidade de vida e também saúde com a reabilitação de pacientes”, aponta Rui Arruda.

O Lago do Amor promove saúde e lazer às famílias (Foto: Junior Aguiar/Secom)

Investimentos em 2017 proporcionaram a renovação da frota do Serviço Móvel de Urgência (Samu) com entrega de novas ambulâncias, ampliação e mais agilidade aos serviços do Programa Saúde da Família, aos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF), à Saúde Bucal e Agentes Comunitários de Saúde, nos munícipios de Assis Brasil, Brasileia, Cruzeiro do Sul, Feijó, Jordão, Mâncio Lima, Porto Walter, Rodrigues Alves, Santa Rosa do Purus, Sena Madureira e Xapuri.

%d blogueiros gostam disto: