Acre tem aumento de 42% de desaparecidos e ocupa 4º lugar da maior variação dessas ocorrências

Sete meses se passaram desde o dia em que Maikon Jorge Nascimento da Silva, de 18 anos, desapareceu ao sair de casa, no Bairro das Placas, em Rio Branco, sem dizer para onde ia. Desde então, a família não obteve mais qualquer tipo de informação sobre ele, que está entre as 330 ocorrências de desaparecimentos registradas no Acre, em 2021.

Os dados são do Anuário Brasileiro de Segurança Pública e mostram que o estado acreano teve um aumento de 42% no número de desaparecidos no ano passado em comparação com 2020, que registrou 229 casos.

Comparando entre os dois anos, foram 101 ocorrência a mais, o que colocou o estado como o quarto com a maior variação entre os demais estados e o Distrito Federal, ficando atrás apenas do Pará (146,6%); Rio Grande do Norte (120,8%); e Tocantins (67,2%).

“Tem sido difícil, porque a gente fica naquela expectativa, esperando ele voltar. Passam mil e uma coisas na cabeça da gente. Perguntas onde ele está? Como está se virando? porque ele não saiu de casa bem, estava tomando medicamento controlado e é mais uma preocupação para a gente. São noites acordadas, preocupada, aquela angústia e a gente não tem notícias dele”, conta a tia dele Suzy Moreno da Silva.

Esse aumento também elevou a taxa que saiu de 25,6 por 100 mil habitantes em 2020, para 36,4, o que também fez o estado apontar acima da média nacional que ficou em 30,7, segundo estudo.

“O tempo vai passando e a gente fica sem notícia, mas eu tenho esperança de que ele vai voltar.”

Os dados são repassados pela Segurança Pública de cada estado. No mesmo levantamento também constam as pessoas localizadas no estado acreano que no último ano foram 25.

Em todo o país, segundo o documento, em 2021 foram 65.225 desaparecimentos, apresentando um aumento de 3,2% em relação a 2020 quando 62.913 ocorrências foram registradas.

Os números divulgados não correspondem ao total de pessoas desaparecidas porque uma pessoa pode ter mais de um registro de desaparecimento, feito por diferentes familiares, assim como em um boletim de ocorrência pode constar mais de uma pessoa desaparecida.

O jovem Maikon desapareceu em novembro do ano passado, como ele, outros casos também foram acompanhados ao longo do ano, como o de Elionai da Silva Souza, de 18 anos, ele desapareceu em março, após sair para fazer compras em Rio Branco.

O motorista de aplicativo Macicley Ferreira, de 23 anos, está entre o grupo dos que desapareceu, mas foi achado após ficar dois dias desaparecido em Rio Branco. Segundo a mãe dele, a professora Marlene da Silva, o rapaz foi deixado amarrado pelos criminosos em um ramal na região do bairro do Amapá.

%d blogueiros gostam disto: